Comidas típicas do Brasil: veja lista por região

A gastronomia brasileira é um dos maiores atrativos para turistas que visitam nosso país e motivo de orgulho para quem nasceu aqui. Cheias de tempero e sabor, as comidas típicas do Brasil são destaque até mesmo no exterior. Vem conhecer um pouco mais de alguns dos pratos mais famosos de cada região!

Comidas típicas brasil

Não existe uma, mas várias comidas típicas do Brasil. Elas variam conforme as regiões do país: o acarajé pertence à Região Nordeste e o arroz com pequi é do Centro-Oeste, por exemplo. O tacacá tem sua origem no Norte, enquanto a feijoada nasceu no Sudeste e a costela no Sul.

Essas receitas se unem a várias outras que acabaram mundialmente conhecidas e reverenciadas por todas as culturas e colocam cada pedacinho do nosso território nas principais rotas de turismo gastronômico nacional e internacional.

Nosso país foi formado por um grande caldeirão multicultural e a pluralidade de cores, texturas, aromas e sabores da nossa gastronomia são a prova dessa riquíssima mistura.

Com base nas culinárias indígenas e africanas e temperos dos imigrantes europeus, a cozinha brasileira ganha ainda mais diferenciais quando engloba o que vem da terra: da ampla variedade de biomas que moldam o solo.

Para dar a você um gostinho dessa gastronomia tão diversa, preparamos uma lista deliciosa com comidas típicas de cada região do Brasil. Confira a seguir!

Comidas típicas do Nordeste

A culinária nordestina é resultado de uma fusão de hábitos alimentares dos portugueses que colonizaram o Brasil, dos indígenas e dos africanos.

Predominam nos sabores dos pratos ingredientes muito usados pelos índios das tribos Potiguara, Pataxó e Xucuru. Além deles, destaque para elementos oriundos das receitas dos africanos bantus e sudaneses: os primeiros, vindos da Nigéria e arredores, e os segundos, da Angola, do Congo e de Moçambique.

Todas essas etnias, ao chegarem no país, passaram a adaptar suas refeições típicas, usando também insumos disponíveis na região. Assim, surgiram alguns dos pratos mais famosos da culinária do Nordeste, que destacamos nos tópicos abaixo.

Sururu ao coco

Sururu ao coco

Prato típico mais famoso do estado de Alagoas (AL), possui uma culinária muito rica em peixes, frutos do mar e temperos verdes, como o coentro.

O sururu é um molusco comum na Lagoa Mundaú, localizada próxima de Maceió, capital do estado. Utiliza-se o molusco no preparo de um caldo que leva leite de coco, coentro e cheiro-verde e, normalmente, esse caldo é preparado em um caldeirão específico.

A receita pode ser servida com arroz e farofa, diretamente no prato ou dentro da casca do coco, como você vê na foto.

Acarajé

Acarajé

Mundialmente conhecido, o acarajé é típico da culinária baiana e tem forte influência africana, em especial das culturas nigeriana e ganesa.

Ele é um bolinho feito de massa de feijão-fradinho, sal e cebola e frito em azeite de dendê. Pode levar pimenta calabresa, camarão e vatapá (outra delícia da culinária africana que tem seu lugar na gastronomia baiana).

Baião-de-dois

Baião-de-dois

Um dos pratos mais famosos do Nordeste, o baião-de-dois tem origem no Ceará e combina arroz e feijão de um jeito todo especial.

Para prepará-lo, é possível utilizar feijão-verde, feijão-de-corda ou feijão-tropeiro e o arroz do baião-de-dois costuma ser feito não com água normal, mas com o caldo do feijão já cozido.

O nome do prato é uma homenagem ao baião, dança típica nordestina, e o numeral é uma referência à simplicidade do prato, que leva dois ingredientes básicos tradicionalíssimos: o arroz e o feijão.

Coentro e cebolinha temperam a receita, que é complementada, ainda, com toucinho ou carne-de-sol e queijo coalho.

Comidas típicas da região Centro-Oeste do Brasil

A gastronomia da região Centro-Oeste do país é muito influenciada pela cultura de vários grupos indígenas habitantes do seu território, como os Guarani-kaiowá, os Xavantes e os Caiapó.

Nela, destacam-se os peixes, os frutos e as carnes exóticas usados em combinações marcantes e bem temperadas. Fique com a gente para conferir algumas dessas combinações.

Arroz com pequi

Arroz com pequi

De tonalidade amarelada muito forte, o pequi é uma fruta nativa da região Centro-Oeste e deve ser refogado em azeite até ficar macio. Especificamente para preparar o arroz com pequi, refoga-se a fruta já com cebola e tempero verde e, na sequência, mistura-se o arroz ao refogado.

O resultado final do prato terá a mesma cor amarela característica do fruto e levará pimenta e sal ao servir.

Empadão

Empadão

Torta salgada típica de Goiás, o empadão é assado em forma forrada com a sua própria massa específica e geralmente recheado com frango.

Como ele não tem uma receita única, também é possível encontrá-lo recheado de lombo, pernil de porco, camarão, alho-poró ou até mesmo de linguiça.

O empadão é o prato representante da gastronomia goiana e está, inclusive, em processo de reconhecimento como Produto de Natureza Imaterial pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Esse é um reconhecimento dado a elementos culturais formadores de identidade dos grupos sociais que constituem o Brasil. Legal, né?

Mojica de pintado

Mojica de pintado

A mojica de pintado é um cozido desse peixe de água doce, preparado com mandioca, tomate, alho e cebola e temperado com cheiro-verde, sal e pimenta-de-cheiro.

Sua receita é típica de Cuiabá, capital do estado de Mato Grosso e também tem forte influência indígena.

De origem indígena, justamente, a palavra "mojica" quer dizer "o que vem do rio com mandioca". Perfeita denominação para o prato, não acha?

Comidas típicas do Norte

Como outras regiões do país, a Região Norte também conta com forte influência indígena em sua gastronomia, especialmente das etnias Terena, Tenetehara, Yanomami e Potiguara.

Ela tem uma base muito variada de frutas e peixes, em decorrência da presença incomparável da Floresta Amazônica por todo o seu território.

Além dos peixes e das frutas da região, a culinária nortista também faz bastante uso de mandioca e carne-de-sol.

Veja três pratos deliciosos.

Tacacá

Tacacá

Servido em cuias, esse prato de origem indígena é composto por um caldo amarelado chamado tucupi, que é extraído da mandioca brava.

Para fazer o caldo tucupi, a mandioca é triturada, seca e peneirada, formando uma goma que vai ser adicionada ao caldo junto de camarão seco e jambu, que é uma erva que causa dormência na boca. O prato ainda leva pimenta, sal e alho na finalização.

Maniçoba

Maniçoba

Carro-chefe da culinária do Pará, o prato de influência indígena e origem moçambicana leva folha de mandioca moída (maniva) na sua composição.

A maniçoba se parece com a feijoada da Região Sudeste, mas seu preparo é muito especial e requer cautela: ela demora cerca de sete dias para ficar pronta, tempo necessário para eliminação de todas as toxinas presentes na maniva.

Se servida antes ou então preparada de maneira errada, pode causar sérios problemas de saúde a quem consumi-la. Por isso, apenas experimente essa receita quando estiver em um lugar de extrema confiança, tudo bem?

Pato no tucupi

Pato no tucupi

Para esse prato fazer jus à receita tradicional da Região Norte, o pato já assado fica cozinhando pelo menos 15 minutos na panela de pressão em um caldo de tucupi, extraído da raiz de mandioca brava.

Seu preparo leva temperos variados, como pimenta-de-cheiro, salsinha e coentro picado, além de limão e vinagre branco.

Refeição tradicional do Pará, o pato de tucupi é servido junto com a maniçoba durante o Círio de Nazaré, um dos maiores eventos religiosos de todo o Brasil.

Comidas típicas da região Sudeste

A composição da culinária do Sudeste é um verdadeiro mosaico: tanto pela sua constituição histórica, que teve muitos elementos de outras regiões agregados pelos bandeirantes, quanto pelas comunidades de imigrantes que se fixaram em seus estados mais recentemente.

Três pratos típicos fazem muito sucesso em meio a esse mosaico. Vamos saboreá-los pelo menos com os olhos agora?

Feijoada

Feijoada

É um prato comum nos países que têm o português como referência nativa, mas ganhou sua versão mundialmente conhecida aqui no Brasil.

Um prato feito a muitas mãos pelas culturas africanas e indígenas que compõem o país, a feijoada brasileira leva feijão preto, sal, folhas de louro e bastante alho para temperar.

No caldo do feijão, são cozidas as partes menos nobres do porco, como pés, orelhas e rabo, promovendo um aproveitamento integral dos alimentos. Também podem entrar como complementos a linguiça e/ou o paio, bacon e toucinho.

Completam o prato, na hora de servir: arroz branco, couve refogada, farinha de mandioca e rodelas de laranja. Uma combinação incomparável!

Moqueca

Moqueca

A moqueca é a comida típica do estado do Espírito Santo. Criada pelos indígenas Tupinikim e Guarani Mbya, ela é feita com peixes de água salgada, geralmente robalo ou badejo e com tomates frescos.

Seu preparo acontece em panelas de barro e seu tempero leva, originalmente, tinta de urucum, limão, coentro e pimenta.

Espanhóis e portugueses acrescentam alho e cebola na moqueca e ainda há a versão baiana da receita, feita com azeite de dendê.

Frango com quiabo

Frango com quiabo

Tradicional na culinária de Minas Gerais, o prato teve origem no século XIX, quando o estado sofria dificuldades no transporte de mercadorias alimentícias vindas de outras partes do país e tinha que aproveitar o que era encontrado no local.

O frango com quiabo é um ensopado típico dos portugueses e, para prepará-lo, é necessário dourar o frango com cebola e tomate, cozinhando-os com temperos e ervas logo em seguida.

No final do cozimento, finalmente chega a vez do quiabo! Ele é adicionado ao restante da receita já refogado - para ficar mais sequinho - e tudo continua cozinhando por mais alguns minutos depois disso.

Como acompanhamentos na hora de servir, salsinha e farinha de mandioca são imprescindíveis. Elas contribuem para se fazer o famoso "angu", um tipo de mingau grosso obtido pela mistura do molho com a farinha.

Comidas típicas do Sul

A culinária da Região Sul do país tem muita herança dos tropeiros do século XVIII, que conduziam seu gado pelo território, levando mercadorias das mais variadas e consumiam proteínas animais durante o trajeto, como carne de boi e ovelha.

Também tem muita influência dos imigrantes europeus, principalmente na panificação (portuguesa) e nas massas italianas.

Além disso, a gastronomia sulista é marcada pelo consumo de frutos do mar e de peixes de água salgada: um legado deixado pelos indígenas Kaingang, Xokleng e Guarani, que habitavam o litoral da região.

Conheça, adiante, os pratos mais característicos de cada estado do Sul do Brasil.

Barreado

Barreado

O prato paranaense de origem portuguesa segue o mesmo ritual de preparo há 300 anos. Nele, é usado um tipo de carne de panela que fica cozinhando por um longo tempo até formar um caldo bem grosso.

Feito em grandes panelas de barro, o barreado é a mistura de alguns tipos de carne bovina de primeira e segunda, como paleta e patinho, cobertas com farinha de mandioca e levada ao fogo por cerca de 20 horas.

A cobertura de farinha serve para vedar a panela, impedindo que o calor escape, auxiliando o cozimento e preservando integralmente o sabor das carnes.

O prato ainda leva bacon, alho e cebola, louro, pimenta e cominho.

Ele pode ser servido com arroz e é consumido acompanhado de vinho, suco de uva ou até aguardente de banana, tradicional em várias partes do Paraná.

Polenta no fio

Polenta no fio

O estado de Santa Catarina tem forte influência italiana e alemã nos seus pratos e nos modos de preparo de suas receitas. Por lá, também se consomem peixes e mariscos da região litorânea, legado das etnias indígenas.

Trazida ao estado por imigrantes italianos, a polenta é um prato típico feito a partir da farinha de milho bem fininha, cozida na água com sal até formar um tipo de mingau bem consistente.

Já a polenta no fio é preparada para ficar com uma consistência mais durinha e poder ser cortada com um fio de algodão, por isso o nome!

Costuma ser consumida com frango caipira e acompanhada de vinhos artesanais.

Costela fogo-de-chão

Costela fogo de chão

Esse prato é um dos símbolos do Rio Grande do Sul e tem sua origem atribuída aos peões das fazendas de gado do Pampa Gaúcho, região de fronteira com o Uruguai.

Conta a história que os peões cavavam um buraco no chão e, usando estacas, espetavam nelas as costelas bovinas. Depois, acendiam braseiros dos dois lados do buraco e deixavam a carne assar por completo e sem queimar durante um longo período.

Assim, tinham a garantia de que iriam amaciar a carne durante o seu preparo.

A carne era temperada apenas com sal grosso, ingrediente muito acessível aos peões, já que o sal também era usado como suplemento para o gado. Há relatos de peões diluindo o sal do tempero da carne em cachaça para ajudar a fixar melhor o seu sabor.

Gostou da nossa lista de comidas típicas do Brasil? A melhor parte da nossa diversidade é que sempre tem um restaurante típico pertinho de qualquer lugar do Brasil para visitar ou fazer um pedido por delivery e experimentar essas delícias. Aproveite!

E-Book grátis

15 ideias de embalagens para inovar no delivery

O que você achou do post?

2 Respostas

Deixe seu comentário